Malvina Gomes, a fibra de uma triatleta invulgar

A paixão pelo desporto preenche-lhe a vida, mas o desafio tem de lhe exigir sacrifício e superação. Malvina Gomes, 40 anos, não faz por menos: compete com os melhores do mundo numa das modalidades mais exigentes, o Triatlo Cross, tão duro quanto a combinação da natação em águas abertas com o ciclismo todo-o-terreno e a corrida em trail. Tudo em doses cavalares. Coisa para cruzar a meta já morta, castanha de tanta lama, mas feliz.

Foto Malvina GomesClick to enlarge
A Solvay identifica nesta triatleta, mãe de dois rapazes, um exemplo de coragem empreendedora e a fibra de uma verdadeira campeã, bem evidenciada no triunfo absoluto no “Nacional” de Triatlo Crossda Golegã, desempenho que lhe conferiu o passaporte para o “Mundial” de X-Terra, disputado no final do ano passado, no Hawaii.

Como se lhe não bastasse ter de competir com mais de 800 atletas de 40 países, nadando com eles uma distância de 1,5 km, pedalando de seguida uma bicicleta todo-o-terreno ao longo de 30 km e correndo por último a monstruosidade de 10 km intratáveis, Malvina Gomes ainda teve, antes, de bater às portas para reunir o apoio indispensável à viagem até à distante Maui.

A Solvay acreditou nesta “mulher activa, trabalhadora, focada nos objectivos, sonhadora e muito inspirada num estilo de vida saudável e desportivo”, como a própria se define, e patrocinou a sua participação no top mundial da disciplina (25º lugar na categoria 40-44 anos), por responsabilidade assumida de partilha de valor com a comunidade e por desvendar nesta Malvina os atributos que a excelência exige também das operações de uma empresa.

Esta Malvina, antiga atleta do Louletano, licenciada em Educação Física, pós-graduada e mestre em Gestão do Desporto, é de facto de uma geração posterior àquela representada por uma outra Malvina ‒ a frágil, porém rebelde personagem retratada por Jorge Amado em “Gabriela, Cravo e Canela”, cuja luta pela emancipação como mulher muitos de nós tivemos a felicidade de seguir na inesquecível telenovela homónima.

“Luto muito!”

“O desporto assumiu sempre uma especial importância na minha vida. Tem sido, desde a infância, algo que completa a minha essência, que me faz crescer e relacionar com os outros”, reconhece Malvina, que carrega muitas histórias consigo.

“Ao partilhar cada aventura ‒ confessa esta instrutora de Pilates e consultora comercial de um health club ‒ continuo ainda a vibrar com cada conquista feita nos vários desportos que já pratiquei: natação, atletismo, sky aquático, bodyboard, triatlo,... Todos me têm proporcionado experiências ricas de vida, que recordo com prazer.”

Um palmarés de vitórias não é uma questão de sorte. Malvina na primeira pessoa: “Luto muito! Uma luta quase diária, feita de treino, que tenho de conciliar com o trabalho e com a vida corrida, pois sou mãe atenta e mulher com tarefas diárias. Por isso, agarro-me à agenda e organizo-me para as lutas diárias: planeio treinos, converso com o meu coach, vemos as provas, lutamos juntos por patrocínios, dou-me a conhecer no desporto local.”

Cidadã responsável

Malvina Gomes procura influenciar muitas pessoas, no seu local de trabalho, para treinarem e perceberem que “não há nada melhor do que praticar desporto e amarmos algo que nos completa, nos desafia, nos ensina a sermos disciplinados e mais exigentes connosco, tanto na vida pessoal como profissional”.

E há ainda uma outra faceta, menos visível, mas não menos recompensadora. Malvina vê-se com um “perfil de ecologista”, no dia a dia e na educação de práticas sustentáveis em casa, com a família.

“Contribuo para a sociedade com o meu trabalho e procuro, também, participar na comunidade onde vivo ajudando e apoiando com roupas os mais desfavorecidos, adoptando um estilo de vida simples, saudável e de escolhas de consumo viradas, quando possível, para o biológico e ecológico. Respeito e amo a natureza, que devo apreciar e preservar”. Convicções e palavras seguras de uma triatleta absolutamente invulgar.